Sexting http://sexting.blogosfera.uol.com.br Felipe Germano é jornalista que escreve sobre Comportamento Humano, Saúde, Tecnologia e Cultura Pop. Fri, 16 Aug 2019 07:00:06 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Você está transando muito ou pouco? Veja aqui como calcular http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/16/voce-esta-transando-muito-ou-pouco-veja-aqui-como-calcular/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/16/voce-esta-transando-muito-ou-pouco-veja-aqui-como-calcular/#respond Fri, 16 Aug 2019 07:00:06 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=413

Designed by slidesgo / Freepik. Icon made by Freepik from www.flaticon.com

Vou te fazer uma pergunta indiscreta. Aproveite que a gente está aqui, só nós dois, e, melhor ainda, que eu nunca vou saber sua resposta, então responda com muita sinceridade: você está transando muito?

Aí você pode me responder “sim”, ou “não”. Com muito orgulho ou um pouco de vergonha. Mas sejamos sinceros: a verdade é que talvez você nem saiba. Até porque o que é “muito”? Uma vez por mês é pouco? Uma vez por semana é bastante? Depende.

Aquela sua amiga transona que acorda na casa de alguém diferente todo fim de semana pode falar que você tá pegando pouco. Mas uma vez a cada 15 dias pra um casal que namora à distância pode soar como um objetivo.

Pra nossa sorte, no entanto, você vai conseguir sim responder à minha pergunta. Isso porque um polonês chamado Dominik Czernia criou uma calculadora que te compara não só com sua amiga ou com o casal, mas com quase 30 mil pessoas.

Para usá-la, é só preencher abaixo. (Caso você não fale inglês, entre aqui, clique com o botão direito do mouse em qualquer lugar e selecione “traduzir para o português”).

Sex Frequency Calculator

A calculadora é extremamente intuitiva. Você só precisa preencher alguns dados: idade, gênero, etnia, estado civil, nível de escolaridade e, claro, antes de mais nada, com qual frequência você faz sexo.

Nessa primeira pergunta, você ainda consegue determinar o número em diferentes unidades de medida. Basta acionar a setinha ao lado do “x / “ e escolher se você está querendo dizer duas vezes por dia, por semana, por mês ou por ano, por exemplo.

As perguntas não são à toa. A calculadora te compara com pessoas que têm os mesmos perfis que você. A quantidade de transas que pessoas da sua idade tem é completamente diferente da de uma pessoa 15 anos mais velha e de outro gênero. Não vamos mentir pra nós mesmos, né?

O resultado é imediato. Assim que você vai preenchendo os dados, gráficos e estatísticas vão sendo apresentados em tempo real. Dá para você saber especificamente se está transando mais ou menos que pessoas do seu gênero, ou que pessoas da sua etnia, por exemplo.

Os números não saíram do nada, e não foi nem Dominik que os levantou. Tudo é graças à nada sexy, mas bem sexual General Social Survey (GSS). Trata-se de um grande formulário organizado pela Universidade de Boston. Desde 1972 os caras tentam traçar o perfil do americano médio. Um censo social.

Isso significa que, sim, os números não representam especificamente o que você vive aqui no Brasil, mas ajudam a ter uma ideia da sua quantidade de transas a nível global (já que os números americanos são bem parecidos com os resultados de outras nações).

Há poucas pesquisas especificamente sobre o Brasil, mas as que estão disponíveis fazem os americanos parecerem castos. Em 2016, por exemplo, a pesquisa Mosaico 2.0, coordenada pela psiquiatra Carmita Abdo, do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex), da USP, cravou que o brasileiro transa, em média 2,9 vezes por semana. O valor é quase o dobro dos americanos.

Espero que você tenha entendido um pouquinho mais sobre o sexo na sua cama e no resto do mundo. Mas tenho de pedir desculpas. No fim, a pergunta certa nem mesmo deveria ser se você está transando muito. E sim, se você gosta do quanto está transando. Erro meu. Essa sim é a resposta que importa.

]]>
0
A Siri pode ter te gravado fazendo sexo, e repassado para terceiros http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/09/a-siri-pode-ter-te-gravado-fazendo-sexo-e-repassado-para-terceiros/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/09/a-siri-pode-ter-te-gravado-fazendo-sexo-e-repassado-para-terceiros/#respond Fri, 09 Aug 2019 07:00:56 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=403

freestocks.org

Ei, Siri! Eu preciso que você não registre minha intimidade.

Uma reportagem do jornal britânico The Guardian revelou que a secretária do iPhone estava fazendo bem mais do que simplesmente nunca entender o que você quer. Ela estava gravando, sem que os usuários soubessem, momentos da sua rotina. Todo tipo de momento, diga-se de passagem. Isso quer dizer que, sim: a Siri te pode ter te gravado transando.

Em teoria, a secretária da Apple só aparece quando é convidada, e o convite é nominal. Você precisaria dizer “Hey, Siri” para ativar o sistema. O problema todo é que ela não ouve muito bem.

Ao maior estilo Velha Surda, de “A Praça é Nossa”, às vezes a Siri acha que você está falando com ela mesmo quando não está. Um zumbido qualquer, um sussurro, um gemido, tudo pode pode ser entendido como um “Hey Siri”. E aí pronto: ali, no meio do seu rala-e-rola, ela acorda, discretamente no criado-mudo, e aparece e para ouvir o que você vai dizer a seguir. Só que para o robozinho, ouvir significa gravar.

Ter o áudio da sua transa gravado é péssimo, né? Pois bem, a história piora. A Apple não só fazia essas gravações como enviava parte delas para terceiros. Em comunicado ao Guardian, a empresa de Tim Cook afirma que “Uma pequena porção” dos áudios era “analisada para melhorar a Siri” e sua audição. Na prática, uma galera, que nem crachá da Apple tem, ouviu muita coisa íntima.

“Houve incontáveis gravações de cunho privado envolvendo discussões entre médicos e pacientes, acordos de negócios, atos que soavam criminosos, relações sexuais e por aí vai”, afirmou um dos delatores ao Guardian.

Pelo menos ninguém sabia de que era o seu gemido ali né? Bom… “Essas gravações eram acompanhadas de informações do usuários mostrando localização, detalhes de contato e dados de aplicativo”, continuou o informante. Essa parte, no entanto, a Apple nega. Ainda ao Guardian, a empresa afirmou que nenhum nome ou identificador estava associada à gravação.

Agora calma, não precisa arremessar seu celular pela janela. A Apple afirmou que paralisou este programa de aperfeiçoamento da Siri. Ou seja, não vai mais enviar gravações para terceiros.

E você, que tem um Android e está rindo, pode tirar esse sorriso da cara. O Google aproveitou o desastre da concorrente para anunciar  que, olha só, também não vai deixar mais seus funcionários ouvirem as gravações feitas por seus usuários. Sim, o Google Assistente também pode ter ouvido uma rapidinha sua.

O que você acha dessa história toda? Te tranquiliza saber que funcionários e contratados não ouvirão mais as gravações? Deixe nos comentários.

]]>
0
O Xvideos vai sair do Brasil? Entenda o boato que circula nas redes sociais http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/06/o-xvideos-vai-sair-do-brasil-entenda-o-boato-que-circula-nas-redes-sociais/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/06/o-xvideos-vai-sair-do-brasil-entenda-o-boato-que-circula-nas-redes-sociais/#respond Tue, 06 Aug 2019 17:07:14 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=395

“Lamento em informar que iremos cancelar nosso site no @Brasil e outros 25 países, Obg povo brasileiro por serem um dos nossos maiores públicos!! aproveitem até o dia 21 de Setembro.” Bastaram esses 180 caracteres para um monte de gente se desesperar na internet. O texto aparece em um print do suposto perfil da Xvideos no Twitter. Mas… é verdade?

Direto ao ponto: Não. A informação é completamente falsa: o site não vai deixar de operar no país.

Dá para chegar à essa conclusão por algumas vias. A primeira e mais definitiva é o tuíte em si. Ele não existe.

O nome da conta do Twitter que aparece na imagem é chamado apenas de “@Xv”. Esse perfil nunca nem foi criado, e por um motivo simples: é impossível. O Twitter exige que os nomes de usuários tenham, no mínimo, quatro caracteres (e máximo de 15). O perfil com duas letras, então, não conseguiria nem ser cadastrado. Se não tem conta, não tem tuíte.

Outro detalhe interessante é que a mensagem mostra o tal @Xv como usuário verificado da Xvideos na plataforma. O problema é que o site adulto não possui essa verificação nem na sua conta oficial (o que ajuda a espalhar esse tipo de notícia falsa). O perfil verdadeiro do site é o @xvideoscom, que não possui o selinho de autenticidade. A única forma de comprovar a veracidade da conta é porque o próprio site adulto direciona para ele. E, olha, para isso você tem que prestar atenção. Na barra inferior da página há um pequeno botão com os dizeres “XVideos no Twitter”; só assim você encontra o arroba citado.

Além disso o texto apresenta alguns erros básicos de português: “povo brasileiro por serem um dos nossos maiores públicos” não tem concordância verbal, e o correto seria “ser um dos nossos maiores públicos”; e “Setembro” deveria aparecer com letra minúscula, por exemplo. O que geralmente já indica alguma falta de veracidade em comunicados oficiais.

A única verdade da imagem, no entanto, está no fato de que, realmente, o Brasil é um dos povos que mais visitam o site. De acordo com o Similar Web, é daqui que vem 9,9% do público. O número nos coloca apenas atrás dos americanos, que formam 17,4% da audiência do Xvideos.

Esses quase 10%, então, podem ficar tranquilos. O Xvideos não parece que vai dar uma de Tumblr. E se der, não se preocupe: eu falo pra vocês por aqui.

Recebeu a fake news? Acha que o Xvideos deveria sair do país de verdade? Por que? Deixe aqui nos comentários!

]]>
0
Maior feira de tecnologia trará sextoys enquanto tenta frear o sexismo http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/02/maior-feira-de-tecnologia-trara-sextoys-enquanto-tenta-frear-o-sexismo/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/08/02/maior-feira-de-tecnologia-trara-sextoys-enquanto-tenta-frear-o-sexismo/#respond Fri, 02 Aug 2019 07:00:43 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=377 A CES (Consumer Eletronic Show) é a maior feira de tecnologia do planeta. Simples assim. Considerada a Meca dos amantes de gadgets, ela atrai gente do mundo todo para anualmente se reunirem em Las Vegas. É lá que grandes empresas mostram seus principais lançamentos, dão um gostinho de quais são as apostas para aquele ano e, sobretudo, serve de termômetro para entendermos como a tecnologia funcionará no nosso dia a dia em um período curto de tempo. É praticamente uma exibição Black Mirror na vida real.

Tudo muito lindo, tudo muito legal. Mas em 2019 vibrações negativas atingiram o evento. A designer Lora DiCarlo levou à feira seu primeiro produto: o vibrador Osé Robotic Massager, um aparelho que estimula tanto o clitóris quanto o ponto G simultaneamente – sem que a usuária tenha que usar as mãos. A ideia foi tão bem recebida que DiCarlo foi premiada na competição oficial do evento, a Inovation Awards, na categoria Robôs e Drones. Só que a festa durou pouco.

Horas depois, a organização voltou atrás, pegou o prêmio de volta e disse que o vibrador de Lora não se encaixava nem na categoria em que ganhou e nem em nenhuma outra. Estava de fora da competição.

Osé

DiCarlo reclamou, a imprensa e frequentadores do evento contestaram a decisão, mas nada adiantou. Prêmio retirado.

Aparentemente, no entanto, o choro não foi à toa. A organização da CES sentiu a pressão e anunciou que a partir do ano que vem, o evento terá uma parte dedicada a sextoys.

“A CES 2020 incluirá produtos eróticos com base em tecnologia, em um esquema de teste para o próximo ano”, afirmou a organização, em comunicado. “[Os produtos] serão incluídos na categoria de ‘Saúde de Bem Estar’.”

A novidade ainda veio acompanhada de outro anúncio importante: a sexualização de staffs será banida. A organização não quer mulheres seminuas em estandes para ajudar a vender produtos – prática comum em eventos de carros e tecnologia. “Roupas que revelam pele em excesso, ou que se moldam ao redor da genitália, não devem ser usadas”, afirma a organização, em comunicado.

O twitter oficial do evento agradeceu DiCarlo, afirmando que a designer ajudou na formulação das novas políticas. Ela por sua vez, comemorou. “Sextech tem comandado o mercado e a tecnologia há décadas, sem sinal de que vai parar. É importante reconhecermos o espaço desse tipo de produto na saúde humana, e no potencial para inovação”, afirmou.

A sexualização da CES é um problema antigo, que remonta aos anos 70 pelo menos. Afinal, Las Vegas também é conhecida por ser um pólo de casas de strip tease e serviços de acompanhantes. Em 2017, eclodiu o movimento feminista #MeToo contra o assédio e intimidação sexual na indústria do cinema, e depois isso migrou um pouco para a tecnologia, como ocorreu na Uber, só para ficar em um exemplo.

Mas na CES de 2018, a repórter Avery Hartmans, do Business Insider, fez um relato da feira para conferir se o #MeToo teria algum impacto por lá. No primeiro evento, viu grupos de jovens mulheres em uniformes de líderes de torcida trabalhando, e nada de homens. No primeiro estande do showroom, na manhã seguinte, havia mulheres de vestidos azuis brilhantes, apertados, fora do ombro e saltos altos. Fora as bizarras strippers robôs.

Os organizadores da CES deixaram claro que as novas mudanças não significam que teremos bullets espalhados pela feira. Mas inovações que misturam tecnologia e prazer estão com as portas abertas. “Estamos procurando por tecnologias realmente inovadoras, que mudam o mercado de sex-tech”, afirmou à imprensa Karen Chupka, vice presidente do CES. “O melhor que posso dizer é que não queremos ver prateleiras e prateleiras com vibradores convencionais”, completou.

Aparentemente, a maior feira de tecnologia do mundo vai ser ainda maior em 2020.

]]>
0
Quantas calorias você gasta enquanto faz sexo? http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/26/quantas-calorias-voce-gasta-enquanto-transa/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/26/quantas-calorias-voce-gasta-enquanto-transa/#respond Fri, 26 Jul 2019 10:09:38 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=381

Icon made by Freepik from www.flaticon.com / Icon made by Pixel perfect from www.flaticon.com

Na próxima vez que você for comer uma pizza, lembre-se de um número: 109. Essa é a quantidade de calorias que, em média, você encontra por fatia. Na prática, isso significa que uma pessoa de 70 kg precisa lutar boxe por cerca de 10 minutos para ter que queimar esse pedacinho. Quer dizer, essa é uma das opções.

Se você (assim como eu) gosta mais de pizza do que de tomar soco na cara, vou ficar feliz em te contar que há inúmeras outras formas de tirar aquela fatia da balança: você pode, inclusive, emagrecer transando.

Mais especificamente, com 15 minutinhos de papai e mamãe, emendando em mais um 69 de 10 minutos, queimam-se entre 105 e 120 calorias. Se bobear, da até pra pegar uma azeitona a mais e ficar com a consciência tranquila.

Mas isso é pensando no exemplo da pessoa de 70 kg. A queima de calorias, principalmente quando estamos falando de sexo, varia demais. Quanto você pesa? Quanto seu parceiro pesa? Que posição vocês fizeram – e por quanto tempo? Para conseguir calcular esse tipo de variável seria necessário, sei lá, uma calculadora específica para isso. A boa notícia? O grupo farmacêutico britânico Dr.Felix fez exatamente isso: criou uma calculadora para medir quantas calorias você gasta no sexo. E você pode usá-la abaixo:

A ferramenta é bastante intuitiva. Você só precisa selecionar o gênero e o peso (não esqueça de selecionar KG como unidade de medida), tanto seu quanto da sua cara metade. Depois disso, escolha todas as posições sexuais que você fez e determine quanto tempo você durou em cada uma.

As opções, vale ressaltar, são amplas. O catálogo possui 30 posições sexuais, que vão da cavalgada à conchinha – e a duração pode variar entre 0 e 60 minutos para cada uma.

Agora, só não ache que você vai ficar mega feliz com os resultados. Na verdade, o que fica claro é que para você conseguir queimar aquela gordurinha extra, você vai ter que transar MUITO.

Um Big Mac, por exemplo, possui 502 kcal. Enquanto isso, um homem ativo de 80 kg pode que fizer 15 min de papai e mamãe, 10 minutos de 69 e 20 de frango assado, vai ter gasto apenas 168 calorias. Haja sexo para dar conta desse molho especial.

Se ainda assim você quiser investir na vida de sexo-fitness, o site pode dar outra ajuda. Após o cálculo da sua performance, a calculadora exibe um relatório de quais músculos você exercitou durante o rala-e-rola. Quem sabe agora você não consegue, finalmente, tirar do papel aquela série para malhar a coxa.

Pensando bem, na próxima vez que comer uma pizza lembre de outro número: 69. Talvez seja assim que você vai queimar algumas calorias daquela marguerita.

]]>
0
Bullet, Varinha e mais: veja um guia dos modelos de vibradores http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/12/bullet-varinha-e-mais-veja-um-guia-dos-modelos-de-vibradores/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/12/bullet-varinha-e-mais-veja-um-guia-dos-modelos-de-vibradores/#respond Fri, 12 Jul 2019 10:06:47 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=360

Lendo uma matéria, ou entrando em uma sexshop, é bem capaz que você tenha se deparado com algum termo que te confundiu. Natural. Ninguém nasce sabendo o que é uma Varinha Mágica, ou um Rabbit. Qual a diferença do Sugador pro Bullet. Até porque, olha só, estou aqui pra explicar mesmo.

Abaixo você confere um rápido glossário dos mais populares tipos de vibradores. E, ah, a ordem é alfabética (quem decide qual é o melhor ou o pior, é sempre quem usa).

Anel Peniano

Os anéis são um dos poucos brinquedos pensados para quem tem um pênis. Seu design gira em torno do desenho de, bem, um anel. Geralmente feito de um material flexível, como silicone ou borracha, ele é colocado no pênis diminuindo a circulação e aumentando a sensação de prazer na região. A parte vibratória estimula não só quem está usando o brinquedo, como o parceiro ou parceira que divide a cama com o usuário. Os anéis são pensados para vibrar, por exemplo, em regiões próximas ao clitóris — em caso de penetração vaginal.

Anel “Mio”, da marca Je Joue

Bullet

O vibrador tradicional, pensado para simplesmente vibrar, o bullet (“bala”, em português) ganha pontos por ser bem discreto na maioria dos casos. Podendo ser menor que um batom, o aparelho se esconde em qualquer bolsa ou pochete sem chamar muita atenção.

Por ser pequeno e fácil de manusear, os bullets geralmente são usados para estímulos externos, em especial o clitóris,

Bullet modelo “Coco Vibrator”, da marca Rocks Off

Controlado Remotamente

Favorito dos casais, os vibradores de controle remoto podem vir em alguns diferentes formatos, mas, além de poder ser controlado remotamente, ele geralmente segue uma premissa básica: você não precisa ficar segurando-o com as mãos. Seus modelos mais populares aparecem no formato de calcinhas ou cuecas vibratórias, ou em tipos parecidos com o We-vibe (um dos campeões de venda deste dia dos namorados) que encaixa dentro da vagina e consegue ser controlado via aplicativo de celular. Este último tipo de modelo, inclusive, pode ser usado durante a penetração, estimulando não só quem usa como a outra metade da laranja também.

Vibrador de controle remoto da marca We-Vibe, modelo “Sync”.

Estimulador de Ponto G

Vibradores um pouco mais fálicos pensados para estimular o famoso ponto G. Anatomicamente falando não há um consenso sobre onde fica essa zona erógena (muitos até dizem que ela não existe), esse tipo de vibrador, no entanto, parte do princípio que você está ao menos disposta a encontrá-lo.
Dotado de curvas aerodinâmicas, e muitas vezes moldável, o brinquedo focado no ponto G tende a explorar mais a parte interna da vagina do que outros modelos, proporcionando outro tipo de orgasmo.

Estimulador de ponto G da marca OhMiBod. Modelo “Lovelife Cuddle”

Estimulador de Próstata

Outro sextoy focado em homens, os modelos desse tipo procuram estimular a região da próstata. Também não há consenso sobre o fato da próstata ser o ponto G masculino, o que se sabe, no entanto, é que a região anal é repleta de nervos – o que pode, sim, trazer prazer. Vale destacar que o aparelho não é exclusividade do público LGBTQI+, homens héteros também podem usar brinquedinhos do tipo sem colocar a sexualidade em xeque. Orientação sexual é relativo a quem você se atrai, não a que tipo de tipo de brinquedo você gosta de usar.

Estimulador de próstata da marca Rocks Off. Modelo “Naughty Boy Intense’

Rabbit

Os coelinhos têm uma longa história, que já contamos por aqui. Seu grande trunfo é a possibilidade de juntar o melhor de dois mundos: ele estimula, ao mesmo tempo, tanto o clitóris quanto a parte interna da vagina. Um combo para quem já sabe o que gosta.

Modelo “Happy Rabbit Realistic Slim”, da marca Lovehoney

Sugadores

Os brinquedos acima podem até ser usados no clitóris, mas esse foi desenhado exatamente para (sugar) o órgão. Os aparelhos desse tipo são geralmente os que prometem fazerem mulheres atingirem o orgasmo em questão de segundos (e muitas vezes conseguem mesmo), por desencanarem do resto do corpo e focarem única e exclusivamente nos 8 mil nervos que o clitóris possui. Algumas marcas dizem simular sexo oral, outros modelos afirmam que se trata de uma sensação única. Seja como for, foi um brinquedinho desse tipo que se tornou destaque no dia dos namorados deste ano.

Sugador da marca Womanizer, modelo “Classic Clitoral Stimulator”

Varinhas

Um dos modelos mais clássicos, os vibradores em forma de varinha (“Wand”, em inglês)  são massageadores que podem ser apontados para onde você quiser. Pensados inicialmente para estímulo de partes externas do corpo, como o clitóris, ele é potente e assertivo. O sextoy ainda pode ser usado por homens que queriam estimular o pênis. É você que manda.

Modelo Petite, da marca Le Wand

E aí, ficou com algum dúvida? Tem algum modelo que não entrou na lista, mas você gostaria que eu citasse? Quem que eu me aprofunde mais na história e funcionalidade de algum desses brinquedos? Deixe nos comentários 🙂

Até a próxima!

]]>
0
Isto não é um banco de bike: novo vibrador é pensado para todos os gêneros http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/05/isto-nao-e-um-banco-de-bike-novo-vibrador-e-pensado-para-todos-os-generos/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/07/05/isto-nao-e-um-banco-de-bike-novo-vibrador-e-pensado-para-todos-os-generos/#respond Fri, 05 Jul 2019 08:14:33 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=350

Em geral, você consegue dividir sextoys em duas categorias: os brinquedos que penetram, e os que são penetráveis. Ninguém precisa ser genial para entender, por exemplo, que um Rabbit foi pensado para entrar no corpo de alguém, enquanto ovos Tenga são desenhados justamente para dar prazer a quem coloca o pênis dentro deles.

Pois bem, adivinha só? As coisas não tem que ser assim.

Prova disso é a nova invenção que do casal americano Amy e Nick Boyajian. É o Enby, um sextoy para todo mundo, seja você homem ou mulher, cis ou trans. Não importa se você quer ser penetrado ou penetrar. 

O Enby parece um selim (ou banquinho de bicicleta, se você preferir chamar assim), e é justamente esse design meio diferentão que faz dele um vibrador tão útil.

Feito com um silicone flexível, o aparelho consegue dobrar e se ajustar ao corpo de quem usa.

Os criadores deixam bem claro que você pode utilizá-lo da maneira que quiser, mas dão quatro exemplos para conseguirmos entender um pouco melhor quão amplas são as possibilidades.

Um dos cenários é cavalgar no brinquedinho. Na base do Enby há texturas antiderrapantes que fazem ele fixar em uma superfície plana. Assim você consegue sentar tranquilamente no aparelho e deixar ele vibrar onde quiser.

Uma segunda sugestão é usá-lo como um envelope. Por ser flexível é muito fácil dobrar o vibrador e fazê-lo envolver um pênis. As mesmas texturas antiaderentes, inclusive, também foram pensadas como uma forma de estimular a glande.

Outro modo é aproveitar o Enby é colocá-lo por dentro da sua roupa de baixo. Ele se molda à sua virilha e a vibração estimula a região genitália.

O último modo sugerido é a dois. O design do Emby permite que ele seja facilmente colocado entre dois corpos. Dessa forma você consegue apimentar as coisas para mais de uma pessoa por vez.

Mais do que conseguir vender para todos os públicos, o casal Boyajian clama que a principal motivação do sextoy é ser inclusivo. “Emby”, inclusive, é uma gíria para “Não-binário”, em inglês. Um apelido para aqueles que não se sentem confortáveis se identificando como só homens ou só mulheres.

“Tínhamos uma amiga que começou a transicionar e comentou que teve que jogar vários dos sextoys fora, por conta das mudanças no corpo”, contou Amy ao site OneZero. “Será que dá para criar algo que sirva para diferentes tipos de corpo, em diferentes circunstâncias?”, se questionou na época. Questionamento esse que deu origem ao projeto, conta.

Este não é o primeiro sextoy que tenta alcançar neutralidade de gênero, mas pode ser o mais bem sucedido. O Transformer foi lançado em 2014 pela marca PicoBong mas foi mal avaliado em praticamente todo review. O Emby, por outro lado, já está recebendo avaliações melhores – mesmo tendo chegado às prateleiras há poucas semanas. Um começo promissor.

O brinquedo custa $ 75 (R$ 285) e entrega no Brasil, o frete pode variar dependendo da localidade e da pressa para ele chegar. Em uma simulação para entregar no centro de São Paulo a taxa variou entre R$ 85 (demorando entre 7 e 21 dias úteis) e R$ 250 (chegando em até 5 dias úteis).

]]>
0
Com este site (e algumas cordas) sua vida sexual pode mudar http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/28/com-este-site-e-algumas-cordas-sua-vida-sexual-pode-mudar/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/28/com-este-site-e-algumas-cordas-sua-vida-sexual-pode-mudar/#respond Fri, 28 Jun 2019 08:05:46 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=341

Montagem sob reprodução TheDutchy

Se você se acha supermoderna(o) por já ter amarrado alguém na cama – ou, pior, se nunca usou cordas no sexo justamente porque acha modernidade demais, eu tenho uma notícia pra você: Isso não é novidade há muito tempo.

Desde século 19, os japoneses praticam Kinbaku, a arte de amarrar parceiros de maneira erótica (e bela), como você vê acima. Na década de 1990 o resto do planeta descobriu a brincadeira. Só que um erro de tradução apareceu no caminho. Gringos mundo afora espalharam que a prática chamava Shibari (“Amarrar”, em japonês – só no sentido de dar um laço mesmo, sem nenhum erotismo). Quando perceberam que o termo estava incorreto, já era tarde demais. O Shibari já tinha conquistado fãs por toda parte, todo mundo estava se importando mais com os nós e menos com as palavras nipônicas..

O problema é que é mais fácil ser fã do que praticante. Não é qualquer pessoa que consegue fazer um nó de Shibari. A prática exige uma técnica precisa, aquele tipo de coisa que você só aprende fazendo curso. Mas para isso você tem que investir tempo, dinheiro – e encarar uma sala de aula com direito a professores e colegas. Quer dizer, esse era o cenário. Um site tem dado uma nova opção para quem quer ser um pouco mais prático. O TheDuchy disponibiliza, online, tutoriais detalhados de Shibari.

São 17 tutoriais gratuitos liberados para quem quer arriscar os primeiros passos no mundo do Shibari. As produções ensinam desde qual corda escolher até como fazer um Pentagrama, laço conhecido entre os praticantes.

O conteúdo dos passo a passos varia, mas em sua maioria ele conta com um combo interessante: um vídeo mostra o nó em questão sendo dado, lentamente, para que você não perca nenhum detalhe. Se mesmo assim continuar sentindo que deixou algo para trás, uma sessão de fotos mostra as etapas de maneira estática, para ficar ainda mais fácil de acompanhar. Os laços ainda acompanham um comentário do instrutor, que dá dicas adicionais sobre a manobra (coisas como tamanho da corda ideal, ou prós e contras de cada nó). .

Tudo, infelizmente, é feito em inglês. Um macete, no entanto, ajuda na parte das instruções por foto. Usando o tradutor de seu navegador, as instruções passarão para o português em questão de segundos, como mostro no gif abaixo. Os vídeos, no entanto, não possuem nenhum tipo de legenda.

O site também ressalta a importância de tomar cuidado na hora de praticar o Shibari. As dicas são várias (leia todas aqui) e incluem pontos físicos (como tomar cuidado com áreas de forte circulação sanguínea), mas também noções sociais (sobre a importância de ter cuidado com o parceiro).

Quem realmente gostar da brincadeira pode ir além. O site possui tutoriais exclusivos para membros, que podem escolher entre duas mensalidades: a de $3 (cerca de R$11,50) dá acesso à 18 novos laços. E a de $5 (R$19) te garante todas os tutoriais anteriores e mais 16 inéditos.

Se amarrou na ideia? Deveria!

Se a simples possibilidade de tentar algo novo, e mudar sua vida sexual, não te atraiu, te darei mais um argumento. Praticar BDSM é bom para sua saúde e relacionamento.

Nos últimos 70 anos, pesquisadores traçam os efeitos desse tipo de fetiche no corpo, e os resultados não poderiam ser melhores. “[Os resultados apontam para] redução do stress, aumento da intimidade dos casais, e uma facilidade de atingir o prazer”, afirmou ao The Guardian, Brad Sagarin, pesquisador na área de Psicologia da Northern Illinois University.

Quem sabe o que faltava para você se soltar na cama, era ficar um pouco preso…

]]>
0
Os melhores aplicativos de pegação para cada letra de “LGBT” http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/21/os-melhores-aplicativos-de-pegacao-para-cada-letra-de-lgbt/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/21/os-melhores-aplicativos-de-pegacao-para-cada-letra-de-lgbt/#respond Fri, 21 Jun 2019 18:48:53 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=330

A raiz das paradas LGBTQI+ aconteceu há exatos 50 anos. Foi em 1969 que a polícia nova iorquina agrediu, humilhou e deteve frequentadores do Stonewall, um bar que servia de ponto de encontro para gays, lésbicas, bis e trans. Era ali que pessoas da comunidade se encontravam para relaxar, tomar uns drinks e, claro, flertar. A história é enorme (você pode aprender um pouquinho mais sobre ela aqui), mas resumindo bastante: as vítimas não aceitaram. Foram seis dias de protestos em confrontos com a polícia, numa luta que se tornou menos sobre um bar e mais sobre o direito de ser LGBT.

Nessas bodas de ouro (que inclusive são o tema da 23ª parada LGBT de São Paulo – a maior do planeta), uma análise é inevitável. A homofobia inegavelmente continua existindo. Alguns direitos novos foram adquiridos e, definitivamente, para encontrarmos uma cara metade não temos a necessidade irmos a bares. Hoje temos os apps.

Abaixo, listo alguns dos apps focados em cada um dos grupos da sigla LGBT. Porque, claro, todos podem usar o Tinder – mas é sempre bom ter um espacinho para você, seja na sociedade on ou offline.

L – Lésbicas

Mulheres lésbicas e bissexuais estão cheias de alternativas online para encontrar outras moças.

Os três apps mais promissores hoje são o Her, que possui um feed integrado (como do Facebook) facilitando você conhecer um pouco melhor a moça do outro lado do app – e até incentivando uma amizade, mesmo que não role química.

Outro da lista é o Femme, parte do Match Group (dono do Tinder), possui um sistema de atendimento 24 horas por dia – o que é excelente para a segurança das usuárias.

Também existe o Sicssr, que se destaca por uma interface que foca na geolocalização, e mostra mais de uma potencial par por vez. É interessante ver por um modelo diferente do que o tradicional de arrastar para os lados, que o Tinder institucionalizou.

Vale destacar também que o Badoo, apesar de não ser um app focado em mulheres que pegam mulheres, possui uma parte significativa de seu público composta por lésbicas e bis.

G – Gays

O público gay já conhece os mais populares apps oferecidos para caras que pegam caras. Não é à toa, essas marcas estão investindo em publicidade e ações de marketing nos últimos anos.

Os mais famosos são, disparado o Grindr e o Hornet. Ambos feitos para homens gays e bis, os apps possuem comunidades gigantescas – o que ajuda na hora de encontrar mais opções (e, consequentemente, mais encontros). Um destaque é que ambos não dependem de matchs, uma lista de homens próximos aparecem na sua tela, aí basta chamá-los para o chat. Como são extremamente parecidos, o ideal é baixar os dois e variar entre um e outro.

Mas há bons apps fora da obviedade. Um deles é o Growlr, focado em ursos (homens grandes e peludos). Bom para quando você já sabe exatamente que tipo de homem está procurando (ou para ser procurado).

O Taimi é outra novidade. Chegando ao Brasil um dia antes da Parada, em 22/06, o algoritmo do aplicativo seleciona perfis para você dar uma olhada a partir de interesses em comum. Ele também permite a criação de grupos e videochamadas.

B – Bissexuais

Os bis são constantemente apagados da comunidade. O eterno papo do “meio-hetero, meio-homo”, que acaba fazendo com que a sociedade sinta que não tem que prestar uma atenção. Até por que eles podem usar todos os apps anteriores e tudo bem, né? Não.

O Bicupid é focado justamente nisso: dar uma atenção especifica para a sexualidade encapsulada no B da sigla. Apesar do aplicativo ser gigantesco na gringa, com mais de um milhão de usuários, por aqui ele ainda tem poucas pessoas utilizando.

Uma outra opção, então, é o Purpled. Enquanto o Bicupid se aproveita de uma estrutura de lista, como o Grindr, o Purpled é baseado no esquema de deslizar para esquerda ou direita, como o Tinder. Esse sim já possui um número maior de homens, mulheres e casais brasileiros.

T – Transgênero

A mais perseguida das letras da sigla: pessoas trans mais do que merecem do que um espaço online para flertar tranquilamente. Os maiores apps dedicados a pessoas transgênero são os Transdr. No plural mesmo, porque há dois com o mesmo nome. Este e este. Ambos seguindo a lógica de Tinder, onde você procura matchs já focados em pessoas trans.

Há, no entanto, outros apps com a mesma temática. Uma pesquisa rápida nas lojas de aplicativo e você encontrará apps como o Trans, e o Teadate. Todos com o intuito de fazer você encontrar alguém legal para passar a noite, o dia, ou quem sabe algum tempo.

Agora é com você, boa sorte nos apps. Talvez você encontre até alguém para ir contigo na Parada ou, claro, em algum bar.

]]>
0
Vibrador de controle remoto bombou nas sex shops no Dia dos Namorados http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/14/vibrador-de-controle-remoto-bombou-nas-sex-shops-no-dia-dos-namorados/ http://sexting.blogosfera.uol.com.br/2019/06/14/vibrador-de-controle-remoto-bombou-nas-sex-shops-no-dia-dos-namorados/#respond Fri, 14 Jun 2019 19:05:18 +0000 http://sexting.blogosfera.uol.com.br/?p=322

Pode esquecer da caixa de bombons, das rosas, perfumes ou jantarzinhos. Tem outros presentes muito mais interessantes que apareceram nesse dia dos namorados. Sim, pelo título da matéria você provavelmente já sacou: são os sextoys.

Os brinquedinhos sexuais apareceram como uma boa pedida na hora de presentear a cara metade. Pelo menos foi o que os comerciantes especializados perceberam. “Os casais buscam cada vez mais oferecer prazer ao parceiro, ou parceira”, afirma Daniel Passos. Ele é o empresário responsável pela Loja do Prazer, a primeira sexshop virtual do país, fundada em 1999. De lá pra cá a iniciativa se tornou a maior vendedora de produtos eróticos a varejo do país.

Passos conta que a média do montante gasto por seus clientes não é baixa, gira em torno dos R$ 260. O valor, no entanto, não desmotiva os compradores. De acordo com o empresário, comparando com o 12 de junho de 2018, o dia dos namorados deste ano deu um salto de 8% no número de vendas.

Parte desses números se deve à alguns favoritos entre os clientes. Passos conta alguns dos destaques que fizeram a clientela vibrar nesse dia dos namorados.

Um dos mais procurados foi também um dos produtos mais em conta. O anel peniano vibratório sai por menos de R$ 100 e foi eletrônico erótico mais comprado nesse dia 12.

Anéis penianos, em geral, já são pensados para uma experiência a dois. O objeto tende a restringir parte da circulação sanguínea ao redor do pênis, o que – quando feito da maneira correta – pode aumentar o prazer. Em paralelo, a zona de contato pode estimular o corpo da sua cara metade.

O modelo em questão tenta se aproveitar ainda mais disso. Chamado de Chester, produzido pela chinesa Pretty Love, seu design é pensado para estimular o clítoris de uma parceira. Vibrando, ele serve para potencializar o prazer tanto de quem o usa, quanto do parceiro.

 

Outro brinquedo que fez sucesso foi um novo vibrador da marca We Vibe.

A marca é conhecida por desenvolver sextoys com controle remoro, que podem ser comandados via aplicativos.

Sua nova versão, no entanto, trouxe uma inovação: o modelo Match permite que casais usem ele tanto remotamente quanto deixando-o ativo durante a penetração. O design permite que ele e um pênis (ou prótese) sejam coexistam no sexo, sem que haja desconforto – principalmente para a usuária. “Essa nova versão foi mais um hit. A marca lidera o ranking praticamente todos os anos seguidos como o mais procurado para casais”, conta Passos.

A grande novidade para passos, no entanto, não está necessariamente entre os brinquedinhos mais vendidos. Se trata do Womanizer. Diferentemente dos fálicos vibradores convencionais, esse tipo específico de toy tem uma função muito bem determinada: a sucção de clitóris, simulando o sexo oral.

Os brinquedos são caros. Mas aparentemente eficazes e discretos. O modelo 2Go, por exemplo, é importado da Alemanha e passa despercebido no meio de uma estante com batons. A brincadeira, no entanto, sai por R$ 1.400,00.


Outros modelos mais econômicos, no entanto, também estão disponíveis no mercado. O sugador da marca chinesa Erotic point pode ser encontrado por cerca de R$ 500.

Diversos modelos, e preços, funções. Os sextoys já estão mais do que presentes no dia dos namorados. Faz até você repensar, né? Aquelas rosas foram mesmo a melhor escolha?

]]>
0