Topo
Sexting

Sexting

Categorias

Histórico

Você está transando muito ou pouco? Veja aqui como calcular

Felipe Germano

16/08/2019 04h00

Designed by slidesgo / Freepik. Icon made by Freepik from www.flaticon.com

Vou te fazer uma pergunta indiscreta. Aproveite que a gente está aqui, só nós dois, e, melhor ainda, que eu nunca vou saber sua resposta, então responda com muita sinceridade: você está transando muito?

Aí você pode me responder "sim", ou "não". Com muito orgulho ou um pouco de vergonha. Mas sejamos sinceros: a verdade é que talvez você nem saiba. Até porque o que é "muito"? Uma vez por mês é pouco? Uma vez por semana é bastante? Depende.

Aquela sua amiga transona que acorda na casa de alguém diferente todo fim de semana pode falar que você tá pegando pouco. Mas uma vez a cada 15 dias pra um casal que namora à distância pode soar como um objetivo.

Pra nossa sorte, no entanto, você vai conseguir sim responder à minha pergunta. Isso porque um polonês chamado Dominik Czernia criou uma calculadora que te compara não só com sua amiga ou com o casal, mas com quase 30 mil pessoas.

Para usá-la, é só preencher abaixo. (Caso você não fale inglês, entre aqui, clique com o botão direito do mouse em qualquer lugar e selecione "traduzir para o português").

Sex Frequency Calculator

A calculadora é extremamente intuitiva. Você só precisa preencher alguns dados: idade, gênero, etnia, estado civil, nível de escolaridade e, claro, antes de mais nada, com qual frequência você faz sexo.

Nessa primeira pergunta, você ainda consegue determinar o número em diferentes unidades de medida. Basta acionar a setinha ao lado do "x / " e escolher se você está querendo dizer duas vezes por dia, por semana, por mês ou por ano, por exemplo.

As perguntas não são à toa. A calculadora te compara com pessoas que têm os mesmos perfis que você. A quantidade de transas que pessoas da sua idade tem é completamente diferente da de uma pessoa 15 anos mais velha e de outro gênero. Não vamos mentir pra nós mesmos, né?

O resultado é imediato. Assim que você vai preenchendo os dados, gráficos e estatísticas vão sendo apresentados em tempo real. Dá para você saber especificamente se está transando mais ou menos que pessoas do seu gênero, ou que pessoas da sua etnia, por exemplo.

Os números não saíram do nada, e não foi nem Dominik que os levantou. Tudo é graças à nada sexy, mas bem sexual General Social Survey (GSS). Trata-se de um grande formulário organizado pela Universidade de Boston. Desde 1972 os caras tentam traçar o perfil do americano médio. Um censo social.

Isso significa que, sim, os números não representam especificamente o que você vive aqui no Brasil, mas ajudam a ter uma ideia da sua quantidade de transas a nível global (já que os números americanos são bem parecidos com os resultados de outras nações).

Há poucas pesquisas especificamente sobre o Brasil, mas as que estão disponíveis fazem os americanos parecerem castos. Em 2016, por exemplo, a pesquisa Mosaico 2.0, coordenada pela psiquiatra Carmita Abdo, do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex), da USP, cravou que o brasileiro transa, em média 2,9 vezes por semana. O valor é quase o dobro dos americanos.

Espero que você tenha entendido um pouquinho mais sobre o sexo na sua cama e no resto do mundo. Mas tenho de pedir desculpas. No fim, a pergunta certa nem mesmo deveria ser se você está transando muito. E sim, se você gosta do quanto está transando. Erro meu. Essa sim é a resposta que importa.

Sobre o Autor

Felipe Germano é jornalista que escreve sobre Comportamento Humano, Saúde, Tecnologia e Cultura Pop. Para encontrar as boas histórias que procura contar, atravessa o planeta: visitou de clubes de swing e banheiros do sexo paulistanos à sets de cinema hollywoodianos. Trabalhou nas redações da rádio Jovem Pan, site Elástica, Revista Época e Revista Superinteressante - e agora colabora com o UOL.

Sobre o Blog

Sexo é o que há de mais antigo nesse planeta, e tecnologia nos traz o que há de mais moderno. Mesmo sem saber quem foi nosso antepassado mais antigo, dá para cravar: ele transava. Mas se engana quem acha que o sexo não mudou nada desde a primeira vez. A tecnologia evoluiu, e com ela nossos hábitos na cama (ou no chão, ou no celular...). Mas dá para juntar tudo, e divertir-se. Muito prazer, esse é o Sexting.